terça-feira, 4 de junho de 2013

Orlando Mendes: Noiva


Gosto muito deste poema do escritor moçambicano Orlando Mendes (1916-1990). Absurdamente lírico e comovente: Noiva. Ele foi publicado em Adeus Gutucumbui e o conheci na Antologia de Autores Africanos: Do Rovuma ao Maputo, organizada por Carlos Pinto Pereira, em 1999.


Noiva

Eu te daria frescas flores de laranjeira
para uma grinalda na carapinha desfrisada.
Eu te daria um colar de missangas coloridas
para uma cruz de outra carne a fogo marcada
sobre o seio esquerdo ao rasgar da virgindade.
Eu te daria um trevo de quatro folhas verdes
para que te nascesse o primeiro filho varão.
Eu te daria se não fosses a noiva de todos
fazendo bandeira com uma capulana garrida
às nove da noite naquela rua de areia suburbana. 
Uma rosa encarnada se desfolha
na fonte do teu corpo em cada lua nova como
se fosses a virgem noiva a quem eu daria
flores de laranjeira, um colar e um trevo
que te darei talvez para usares quando não
puderes ser noiva de todos fazendo bandeira
às nove horas da noite naquela rua de areia.


*
Ilustração de Joba Tridente


Orlando Marques de Almeida Mendes (Ilha de Moçambique, 1916 - Maputo, 1990). Crítico Literário, poeta, romancista, dramaturgo. Influenciado pelo neorrealismo português, colaborou em diversos jornais moçambicanos e estrangeiros e produziu uma vasta obra literária: Trajectória (1940); Portagem (1966); Um minuto de Silêncio (1970); Adeus de Gutucumbui (1971); A Fome das Larvas (1975); Papá Operário mais Seis Histórias (1983); Sobre Literatura Moçambicana (1982). Recebeu os prêmios: Fialho de Almeida; Jogos Florais da Universidade de Coimbra (1946); Prémio de Poesia no concurso literário da Câmara Municipal de Lourenço Marques. Fonte: Infopédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...