domingo, 29 de novembro de 2015

Lúcia Cherem: Clarice Lispector na França e Quebec

Clarice Lispector em foto (web) de Fraco e Moura (?)

Em 2014 a escritora e tradutora Lúcia Peixoto Cherem lançou, pela Editora da UFPR, o livro As duas Clarices - entre a Europa e a América: Leitura e tradução da obra de Clarice Lispector na França e Quebec. A obra, já em sua segunda edição, é fruto da tese de Doutorado em Língua e Literatura Francesa (Um olhar estrangeiro sobre a obra de Clarice Lispector - leitura e recepção da obra da autora na França e no Quebec.), apresentada na Universidade de São Paulo, em que Lúcia Cherem analisa importantes títulos literários de Lispector em português e em traduções francesas realizadas por tradutoras ligadas à causa feminista e feminina na França e no Canadá. Sem nenhum ranço acadêmico, As duas Clarices é de leitura fluída e a cada capítulo desperta um interesse ainda maior sobre a obra de Clarice Lispector (1920-1977) e o complexo processo de tradução de uma escritora dona de uma linguagem muito particular e extremamente original.

A se observar a introdução de Lúcia, a envolvente fluidez, rara em teses acadêmicas, não poderia ser diferente: “Desde que me conheço por gente ou leitora, leio os textos de Clarice Lispector. É como conhecer alguém há muitos anos, e acredito que nenhum relacionamento seja passível unicamente de explicação objetiva. (...) Talvez por isso eu tenha buscado o caminho do diálogo, interessando-me pela abordagem que essas mulheres estrangeiras haviam feito de sua obra. Elas também confessavam que a ligação com os textos de Clarice era de outra ordem, mesmo que não soubessem muito bem como explicá-la. Fui movida, então, por esse interesse: perguntar, procurar saber, investigar por que a obra de Clarice Lispector representava mais do que uma descoberta intelectual; por que sua linguagem era perturbadora e, ao mesmo tempo, atraente? Que modo canhestro era esse de fazer literatura? O que havia, afinal, de especial em sua escrita? (...) Ter traduzido A mulher que matou os peixes para o francês, ao lado se Séverine Rosset. havia me dado também a possibilidade de sentir de perto como ela era lida na França nos anos 1980 e como o seu texto ecoava em língua estrangeira. Lembro-me que eu dizia sempre à Séverine: temos que manter o tom íntimo de Clarice, suas confidências, sua linguagem simples. Temos que cuidar para o francês não pesar sobre ela, deixá-la enfim, existir na outra língua. Não sei se conseguimos. Não ousei analisar nossa própria tradução neste trabalho.”

Para conhecer um pouco deste curioso gabinete das traduções, versões e adaptações, bem como o mítico universo literário da Clarice Lispector, o Falas ao Acaso convidou Lucia Peixoto Cherem para uma entrevista. O assunto é extenso e o espaço pequeno..., portanto, estou publicando a essência. A foto é de Matias Dala Stella.



Falas ao Acaso: Lúcia, por que Clarice Lispector?
Lúcia Peixoto Cherem: Porque a obra da escritora Clarice Lispector sempre me acompanhou, desde a adolescência, como uma presença mesmo, uma aliada à minha solidão e à minha incompreensão do que me sucedia naquela época. Havia uma compreensão da dor, da tristeza que eu compartilhava. E também ela me ensinava uma alegria difícil, mas que era verdadeira.

Falas: Como conheceu a sua obra? Foi um encontro casual, de entrar em uma livraria ver o título, folhear e comprar?
Lúcia: Acho que lendo crônicas. Também me lembro que a notícia da morte dela me tocou muito e aí, com uns 17 anos, comecei a ler toda a obra.

Falas: Há um grande número de livros sobre Clarice Lispector persona e autora..., por que Clarice ainda desperta tanto interesse no Brasil e no exterior?
Lúcia: Ela desperta muito interesse porque toca em aspectos muito difíceis da alma humana de uma forma direta, fácil de perceber. Busca uma cumplicidade com o leitor, não é um texto só elaborado para enredar, ele também clama por companhia num mundo de solidão.

Falas: Há um consenso do hermetismo da sua obra. Clarice é vista, principalmente pelos críticos e pesquisadores, como uma pessoa triste, ensimesmada. Todavia, sinto uma certa dose humor, ainda que negro ou nonsense, em seus textos. Estou equivocado?
Lúcia: Sim, ela tem um certo humor, mas ninguém quase fala sobre isso. No meio dos contos tem umas tiradas engraçadas. Tem um conto chamado Legião estrangeira que trata da personagem Ofélia com bastante humor... 

Falas: Há ainda algo que não se saiba sobre Clarice?
Lúcia: Acho que deve haver muita coisa ainda a ser estudada na obra dela, apesar de muitos críticos já terem se debruçado sobre seus escritos. Uma forma de lidar com a linguagem bastante singular.

Falas: Não me refiro necessariamente a escritora, mas a pessoa Clarice. Ou não há como dissociar?  Há tanto “folclore” sobre ela que fica difícil saber o que é verdade ou ficção.
Lúcia: Criou-se em torno dela um mito difícil de desconstruir: tem um mistério, uma aura, a admiração pela beleza, pela elegância, pelo silêncio de esfinge... Tem que se debruçar mais sobre a obra do que sobre a pessoa. Isso é mais difícil, mais custoso, porque a obra requer mergulho, rigor, dedicação como qualquer estudo. É mais fácil você repetir algumas frases como verdades absolutas e achar que ela é um guru. É isso que acaba aparecendo muito na internet, muita coisa que ela nunca escreveu começa a aparecer como sendo dela. Como era uma escritora econômica, dizia muito com poucas palavras, as pessoas vão emendando, interpretando, se colocando também, ela chama para isso, de alguma forma.  

Falas: Ainda no campo do mistério pessoal e autoral, pelo misticismo em sua obra, ela era uma bruxa das letras ou de ofício? O escritor Otto Lara Rezende tem razão ao dizer que “O que Clarice faz não é literatura, e sim bruxaria.”? Ou tudo não passa de marketing?
Lúcia: Muito mistério em cima de uma escrita forte, carregada de uma vivência, de um trabalho muito muito difícil com a  linguagem. Como se ela colocasse tudo em jogo a cada frase. Uma espécie de ruminar interno; quando aquilo sai é resultado de muito pensar, cismar, quase enlouquecer. Mas justamente, ela é salva pela linguagem, pela palavra que encontra como balaustrada que ela vai buscar lá no fundo de si mesma, nas lembranças, nas leituras sedimentadas, nas entranhas, nos sentimentos, na mistura das línguas que conhecia; é conhecimento profundo também da língua portuguesa do Brasil, do uso das palavras, não é bruxaria, a meu ver. O texto dela assustou mais de um mineiro: Otto, Rubem Braga, Fernando Sabino. E deve ter perturbado também muito Paulo Mendes Campos, com que teve um relacionamento amoroso. Por isso, essa coisa de chamar de bruxa, algo muito incompreensível, faltavam antenas para ler a obra dela, no início, eu acho... Depois mais leitores foram lidando melhor com a sua escrita.

Falas: Em seu livro As Duas Clarice, você fala também sobre o período em que ela se dedicou às artes plásticas, que me parece mais uma vivência para o desenvolvimento e ou compreensão da própria escrita e ou do gesto de escrever um texto ilustrado. Essa fase já mereceu estudo ou ainda serve apenas de apêndice às teses?
Lúcia: Seus quadros não chamam a atenção de especialistas no assunto. As análises giram mais em torno da relação que as telas têm com sua escrita ou com os limites que a sua escrita lhe impunha. Para fugir da palavra-prisão, ela pintou, criou personagens artistas plásticos para sair das suas obsessões, da sua cabeça confusa.  Outra forma de sobrevivência, de ordenar o caos. 


Falas: Há algum texto ainda inédito da autora?
Lúcia: Há os textos do seu diário íntimo com trechos em inglês, francês, italiano e português, mas acho que é pouca coisa. Cartas que foram retiradas de Minhas Queridas pela família.

Falas: Na internet a gente encontra vários poemas românticos, piegas e de autoajuda que teriam sido escritos por ela. Eu não acredito que sejam, pois são muito ruins! Ela escreveu poesia também? Se escreveu, por que nenhum pesquisador fala deles?
Lúcia: Ela escreveu um poema no início da carreira e depois não quis mais escrever poesia, apesar de Manuel Bandeira ter insistido com ela que era poeta. A poesia de que foi capaz está entremeada na prosa. Em Perto do coração selvagem, por exemplo. Inventam que muitos textos são de sua autoria, não sei de onde tiram isso... Não acompanho muito, mas às vezes recebo textos que não são dela mesmo...

Falas: Clarice é uma autora feminina ou feminista?
Lúcia: Acho que ela nunca foi uma feminista ativa, que lutou pelas mulheres abertamente, mas fez isso de forma indireta colocando muitas personagens femininas em seus livros. Essas personagens não abrem mão de um jeito de ser e se colocam no mundo com uma presença de corpo e de atitude que muitas vezes vêm completar uma visão mais masculina privilegiada nas narrativas de aventura, de ambição política, literária; ela passa uma visão de ser, estar no mundo, viver o presente, sem se incomodar muito com modismos ou gêneros. Ela veio ocupar este espaço vago na literatura brasileira. Uma prosa com poesia também.

Falas: Você fala muito em leitoras de Clarice, o seu público alvo (se é que há) é realmente o feminino? Clarice escrevia para mulheres ou para qualquer leitor que quisesse se aventurar em sua escrita metafísica?
Lúcia: Não, ela não escrevia pra mulheres, mas acontece que foram as mulheres que mais a estudaram e a fizeram ser conhecida no mundo das letras fora do Brasil. Se não fosse esse trabalho, talvez ela fosse ainda uma desconhecida no exterior.

Falas: Quanto tempo entre pesquisa para a tese e a publicação do livro?
Lúcia: Levei uns quatro anos para levantar os dados e escrever a tese. Mas o livro veio anos depois com algumas complementações, atualizações bibliográficas.

Falas: A família de Clarice Lispector é acessível aos pesquisadores da obra de Clarice?
Lúcia: Sobre a família, eles têm medo de ser invadidos e de as pessoas quererem ganhar dinheiro falando de Clarice. Eles sempre me atenderam com distância, mas nunca negaram nada, foram sempre muito corretos, principalmente Paulo Gurgel Valente, seu filho mais novo. Com a crítica quebequense Claire Varin estabeleceram elos de amizade inclusive.

Falas: O texto de As duas Clarices é fluido e não tem o ranço de tese acadêmica, ele sofreu alguma modificação ao ser publicado em livro?
Lúcia: Não, não modifiquei muito. Tive a sorte de pegar uma orientadora super acolhedora que me deixou fazer a tese em primeira pessoa, eu me coloquei também sem problemas. Eu não queria fazer um estudo acadêmico, seria estragar a leitura que tinha feito a vida toda sobre a Clarice.

Falas: Você pega Clarice pelo viés da tradução..., assim como Guimarães Rosa, Lispector é intraduzível em qualquer língua?
Lúcia: Não é fácil traduzi-la porque ela tem uma sintaxe particular e não enfeita muito. Quer pegar a força da palavra, a coisa meio chão, passar a vida pela palavra e isso é muito duro de traduzir. Se você começa a embelezar muito, o texto sofre e se perde. Há uma crueza que precisa ser guardada, na minha opinião.

Falas: Em sua análise das traduções da obra de Clarice Lispector para o francês, nota-se que este é sempre um assunto delicado. Versão e adaptação podem ser consideradas uma forma de tradução? É possível uma tradução pura de uma língua para a outra, sem perder a originalidade?
Lúcia: Trata-se de uma questão super complexa. Tem gente que acha que traduzir é fazer outra coisa, criar um outro texto. Eu tenho muitas dúvidas a respeito disso. Ainda acho que dá pra tentar dar conta do texto do autor, fazer um esforço de humildade para isso, mas está fora de moda essa visão mais respeitosa da voz de um autor. Tradução pura não existe, não é um processo mecânico, é sempre uma interpretação que pode se distanciar mais ou menos do texto.


Falas: O que lhe parece quando um crítico diz que algumas traduções são melhores que os livros originais?
Lúcia: Esse é o caso das traduções dos livros de Paulo Coelho para o francês, você pode melhorar sintaticamente um autor. Mas quando há um trabalho real de linguagem, é preciso trabalhar também, entendendo como o original funciona, é preciso ter uma coerência do começo ao fim, não é um exercício, é uma busca árdua, uma luta de boxe, quase, você sua, procura, se enfurece e se alegra quando acha que encontrou a melhor forma. Se o tradutor se achar melhor que o autor, mais inteligente e criativo, então ele está criando mesmo, pois que escreva seus livros e deixe o autor em paz. Por que precisa dele afinal? Muleta? 

Falas: Como tem sido a receptividade crítica e dos leitores no Brasil?
Lúcia: Algumas pessoas me escrevem dizendo que gostaram muito de ler, que é fácil e que mostra o quanto o texto dela faz parte da minha vida. Quis dar o testemunho de uma leitura e da leitura de outras mulheres que se sentiram próximas dela, pelo seu texto. Não uma leitura distante e fria, mas uma leitura que nos faz sentir mais vivos e não mais eruditos ou mais cultos. É uma experiência mais vital, na minha opinião, que apenas intelectual.

Falas: Pensa em lançar o livro também na Europa, e ou em língua francesa?
Lúcia: O capítulo número 1 (A identificação com a obra de Clarice Lispector) foi traduzido para o francês e será publicado numa revista do Quebec agora em 2015, até o fim do ano. 

Falas: Além da análise dos acertos e erros e ou equívocos nas traduções das obras de Clarice, você também analisa os textos da escritora, faz comparações e aprofunda a leitura dos signos usados por ela. Essa subjetividade é perceptível a qualquer leitor ou fica apenas no âmbito da crítica literária?
Lúcia: Penso que quem lê mais de perto a obra dela não são os críticos literários, são as pessoas que sofrem, como ela sofreu, a agonia de estar viva, o não saber o que fazer de si mesmo, como pessoas que tivessem sobrado, sem um sentido criado para tocar o cotidiano. Ela aponta para a lucidez da falta de sentido do mundo, da correria que nos impomos. Por isso assusta tanta gente. Muitos críticos se tornam herméticos ou fazem análises muito acadêmicas que não entram na questão central da literatura dela, a meu ver. Claro, há gente como Benedito Nunes, Teresa Montero, Claire Varin, que chegam mais pertinho dela... Não sei por que penso também no desespero de uma Carolina de Jesus (Quarto de despejo), que dentro da precariedade, conseguiu ficar em pé pela escrita, mesmo. São escritas vitais, se escreve para se manter vivo, não muito por prazer estético. É como escrever sobre a própria pele, como dizia Ferdinand Céline... 

Falas: Não é irônico a editora feminista des femmes publicar obras de Clarice traduzidas Jacques Thiériot? Nesse caso os homens se desvelaram mais sensíveis que as tradutoras ou o gênero não faz diferença?
Lúcia: O Jacques Thiériot é o tradutor do Guimarães Rosa, um nome de prestígio, e a editora finalmente recorreu a ele porque entendeu que muitas traduções tinham problemas, mas convidaram a mulher dele também pra participar. Não sei ao certo qual foi a participação dela no trabalho. 

Falas: Por que é tão difícil classificar, enquadrar a obra de Clarice em algum gênero? A cada leitura e ou releitura o conteúdo de suas obras ganha novo significado.
Lúcia: Não sei explicar onde ela se enquadra, não consigo ver ali uma tradição ainda. Me parece que ela entra por uma esfera espiritual muito aberta a muitas interpretações, como um texto de apoio e também de desconserto (ela pode desconsertar muito a vida da gente, dependendo do momento em que se lê), texto  quase religioso, mas ao  mesmo tempo secular, misturando todo tipo de crença... Ela tem uma carga religiosa entre aspas que está, me parece, na linguagem que ela usa, na força da linguagem. Sua linguagem carrega, move o leitor que aceita entrar na sua forma de ver o mundo, quem não entra nisso, não entende, não penetra e pode achar até muito chato ler os textos dela. 


Lúcia Peixoto Cherem nasceu em Tijucas, Santa Catarina, em 1960. Neste mesmo ano, com apenas um mês e meio de idade, veio com a família para Curitiba. Na adolescência descobriu os textos de Clarice Lispector. Em 1978 cursou um ano de Jornalismo na UFPR e em 1979 prestou novo vestibular, desta vez para Letras - Francês. De 1983 a 1987 estudou e trabalhou na França. Em 1990 Lúcia e Séverine Rosset traduziram para francês o livro A mulher que matou os peixes (La femme que a tué les poissons), de Clarice Lispector. No ano de 1992 passou a integrar o corpo docente da Universidade Federal do Paraná como professora do Curso de Letras - Francês, até se aposentar em 2015. Concluiu o doutorado em 2003, na USP, apresentando a tese Um olhar estrangeiro sobre a obra de Clarice Lispector - leitura e recepção da obra da autora na França e no Quebec. Lúcia Cherem continua atuando na pós-graduação do curso de Letras - Francês da UFPR.



As duas Clarices - entre a Europa e a América: Leitura e tradução da obra de Clarice Lispector na França e Quebec procura-se discutir o papel que a literatura de Clarice Lispector teve entre o final dos anos 1970 e o início dos 1990, na França e no Quebec, época em que a participação das mulheres no mundo editorial cresce consideravelmente e em que se discute a possível existência de uma escrita feminina. Editora UFPR.

sábado, 28 de novembro de 2015

Joba Tridente: Deus Quequé

Num mundo a cada dia mais dominado pela insana “vontade” humana de Deus, uma lenda cotidiana na reza de cada (in)fiel. Quequé (Que quer) não chega a ser um neologismo. Está mais para o falar coloquial, o dialeto caipira. Comecei este triângulo poético em 2013, com a fabulosa lenda do Deus Quequé e subserviência. Findo, em 2015, com ladainha. Os dois primeiros já foram publicados aqui. Revistos, juntam-se ao terceiro.


I
a fabulosa lenda do Deus Quequé
joba tridente
poesia in complete

ontem no princípio
do nada
uma bolha ácida
ploft!
: Deus Quequé

omni!
o que era é o será
omni!

Deus Quequé
eu bufo eu
Deus Quequé

verbo em verso
desfazedor do que cria
odiador do que ama
desgraçador da alegria
punidor do gentio
prendedor do livre

verso em verbo
vingador docente
doente errante
epifania indecente

omni!
Deus Quequé
ignorância animal
omni!
Deus Quequé
ignorância in natura
omni!
Deus Quequé
sádico reflexo
hominídeo
irônica imagem
Deus Quequé
omni!
• • •
ira iriada



II
subserviência
joba tridente
poesia in complete 

hoje
tudo é
Deus Quequé

nada é
Deus Quequé

puta não pare
Deus Quequé

puta pare
Deus Quequé

filho da puta
... mata ...
Deus Quequé
• • •
omni!



III
ladainha
Joba Tridente
poesia in complete

amanhã
sem
Deus Quequé

Deus omni Quequé
Deus hominídeo Quequé
Deus homilia Quequé

Deus Quequeria:
o infiel violado!
Deus Quequeria:
a maçã lexical!
Deus Quequeria:
a fé abalada!
Deus Quequeria:
o antigo perpetuado!
Deus Quequeria:
o fiel dizimado!

Deus Quequeria:
alfas tementes
dementes gamas
ômegas inocentes

Deus omni Quequeria
Deus hominídeo Quequeria
Deus homilia Quequeria

amém, omni!

Deus encara
Quem
encarna Deus
Quem
escancara
Quem não é Deus
não É verbo
É metonímia
• • •
: ploft!

*
ilustrações de joba tridente.2013/15


Joba Tridente em Verso: 25 Poemas Experimentais (1999); Quase Hai-Kai (1997, 1998 e 2004); em Antologias: Hiperconexões: Realidade Expandida (2015); 101 Poetas Paranaenses (2015); Ipê Amarelo, 26 Haicais; Ce que je vois de ma fenêtre - O que eu vejo da minha janela (2014); Ebulição da Escrivatura – 13 Poetas Impossíveis (1978); em Prosa: Fragmentos da História Antropofágica e Estapafúrdia de Um Índio Polaco da Tribo dos Stankienambás (2000); Cidades Minguantes (2001); O Vazio no Olho do Dragão (2001). Contos, poemas e artigos culturais publicados em diversos veículos de comunicação: Correio Braziliense, Jornal Nicolau, Gazeta do Povo, Revista Planeta, entre outros.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Joba Tridente: Bicho del Pie

Bicho-de-Pé é um poema de 1975. Esteve nas páginas do opúsculo 25 Poemas Experimentais (1999), do Jornal NICOLAU 35 e por aqui, em 2013. Ele é de um tempo (difícil) de becos, ciladas, sombras, cabrestos, quando, insensato que era, eu teimava na palavra..., verbo insistente que me volta como hoje (em dia) e me pega distraído, como se ainda ontem, à espera de mudanças.

No dia 2 de novembro de 2015, o amigo escritor Marcelo Gonzales, da Comunidade Literária Amigos de Marcelo Gonzales, me surpreendeu ao traduzir Bicho-de-Pé para o espanhol. Grato pela honraria, compartilho a sua tradução Bicho del Pie com todos os leitores. Confira o poema em espanhol e em português.


                   

BICHO DEL PIE
Joba Tridente
tradução de Marcelo Gonzales

mira hacia tu zapato
comiendo el polvo del SUELO
y ….
ensuciando todo tu pie
tan ALBO (a la mosca)
o ….
tan NEGRO (al escarabajo)
………………………………………………..................
te tomó un BICHO del PIE
…………………………………………………...............
                ahora sé que tardarás en llegar a la ciudad



BICHO-de-PÉ
Joba Tridente

olha para o teu sapato
comendo a poeira do CHÃO
e...
sujando todo o teu pé
tão ALVO    (à mosca)
ou...
tão NEGRO  (ao escaravelho)
................................................................
pegaste o BICHO-de-PÉ
................................................................
             agora é que tardarás a chegar à cidade


 *
ilustração de Joba Tridente.2015


Marcelo Gonzales: Escritor. Actualmente reside en la ciudad de Resistencia, Argentina. Libros escritos: tres novelas (La hojarasca, el viento y la hortensia; Memorias del Camposanto y Las aventuras del brezo) y cuatro poemarios (Poesía Autorizada; El cubo Rubik; El Bhúo de Ebano y XLV). Próximamente en librerías ESCRIBIR POR SI ACASO, (libro de poemas edición 2015).

Joba Tridente em Verso: 25 Poemas Experimentais (1999); Quase Hai-Kai (1997, 1998 e 2004); em Antologias: Hiperconexões: Realidade Expandida (2015); 101 Poetas Paranaenses (2015); Ipê Amarelo, 26 Haicais; Ce que je vois de ma fenêtre - O que eu vejo da minha janela (2014); Ebulição da Escrivatura – 13 Poetas Impossíveis (1978); em Prosa: Fragmentos da História Antropofágica e Estapafúrdia de Um Índio Polaco da Tribo dos Stankienambás (2000); Cidades Minguantes (2001); O Vazio no Olho do Dragão (2001). Contos, poemas e artigos culturais publicados em diversos veículos de comunicação: Correio Braziliense, Jornal Nicolau, Gazeta do Povo, Revista Planeta, entre outros.

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Vássia Silveira: verdades e mentiras

Febre Terçã, da escritora e jornalista Vássia Silveira, é um dos mais belos livros de poesia que li em 2015. Febre Terçã, que (felizmente!) tive o prazer de conhecer recentemente, quando do seu lançamento em Curitiba-PR, é daquelas obras literárias que a gente quer que não acabe, embora anseie pelo último poema e ainda que essa ansiedade seja uma tortura para o leitor que se recusa a avançar a leitura enquanto a poesia lida não estiver totalmente sublimada. Há um ciclo poético que nos vicia a cada dia dos três que nos arrebatam para nos nocautear no quarto..., irremediavelmente infectados pela febre terça. Vássia é lírica e melancólica e lúdica. Vássia é romântica e trágica e passional. Vássia conjuga seus versos amorosos com uma intensidade de cortar os pulsos... Todavia, quem apurar o olhar verá sobre o criado-mudo um frasco de água oxigenada e outro de mertiolate, para tratar suas próprias cicatrizes.

Desta perola, que é Febre Terçã, não foi fácil, mas consegui (?) selecionar quatro poemas + um para quatro postagens. A cada dia, um poema do dia a caminho da febre terçã. Comecei com o primeiro poema do Primeiro Dia: o caderno. Segui para o Segundo Dia: sei que. Cheguei ao Terceiro Dia: perguntas. Encerro com Febre Terçã: verdades + mentiras.
         
          
         
        

verdades
vássia silveira

Porque só os loucos
mentem sem culpa,
ela arreganhou
os dentes e disse-lhe:
(os olhos faiscando)
eu te amo.



         
       

mentiras
vássia Silveira

Ele trazia nas mãos as flores murchas
dos amores reinventados
e ela aceitou-as,
mesmo sabendo-as tristes

*
ilustração foto e arte de joba tridente


Vássia Silveira nasceu em Belém (PA), cresceu no Acre e hoje vive em Florianópolis (SC). É jornalista e escritora. Seus primeiros poemas publicados em livro compõem o Balaio de Ideias (2006), almanaque infantojuvenil coordenado por Sérgio Capparelli. É autora do livro de crônicas Indagações de Ameixas (2011) e dos infantis Quem tem medo do Mapinguari? (2008) e Braboletas e Ciuminsetos (2007). Febre Terçã, editado pela Selo Off Flip, é de 2014, mas está sendo lançado agora. Vássia Silveira tem um blog de crônicas: Toda Quinta. Se quiser pode entrar em contato através do email: vassia@uol.com.br e ou via facebook.

nota: como se não bastasse a qualidade dos poemas com suas fascinantes metáforas, Febre Terçã, de Vássia Silveira, que recomendo com louvor, traz excelente projeto gráfico de Renata Hinning...., algo (infelizmente!) pouco usual em livros de poesia. Febre Terçã pode ser adquirido via Livraria Travessa.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Vássia Silveira: perguntas

Febre Terçã, da escritora e jornalista Vássia Silveira, é um dos mais belos livros de poesia que li em 2015. Febre Terçã, que (felizmente!) tive o prazer de conhecer recentemente, quando do seu lançamento em Curitiba-PR, é daquelas obras literárias que a gente quer que não acabe, embora anseie pelo último poema e ainda que essa ansiedade seja uma tortura para o leitor que se recusa a avançar a leitura enquanto a poesia lida não estiver totalmente sublimada. Há um ciclo poético que nos vicia a cada dia dos três que nos arrebatam para nos nocautear no quarto..., irremediavelmente infectados pela febre terça. Vássia é lírica e melancólica e lúdica. Vássia é romântica e trágica e passional. Vássia conjuga seus versos amorosos com uma intensidade de cortar os pulsos... Todavia, quem apurar o olhar verá sobre o criado-mudo um frasco de água oxigenada e outro de mertiolate, para tratar suas próprias cicatrizes.

Desta perola, que é Febre Terçã, não foi fácil, mas consegui (?) selecionar quatro poemas + um para quatro postagens. A cada dia, um poema do dia a caminho da febre terçã. Comecei com o primeiro poema do Primeiro Dia: o caderno. Segui para o Segundo Dia: sei que. Chego ao Terceiro Dia: perguntas.


          

perguntas
vássia silveira

Tu me perguntas, e eu digo sim.

Não precisas gritar às flores
nem acordar a vizinhança
- pois é na tua quietude
que repousam meus sonhos.

Deixemos, portanto, que esse orvalho
molhe em silêncio as nossas peles e
que o frescor da aurora embale as almas

(não precisamos mais que isso).

Tu me perguntas e eu digo sim:
minha casa é tua,
na medida em que entras devagarinho.

*
ilustração: foto e arte de Joba Tridente


Vássia Silveira nasceu em Belém (PA), cresceu no Acre e hoje vive em Florianópolis (SC). É jornalista e escritora. Seus primeiros poemas publicados em livro compõem o Balaio de Ideias (2006), almanaque infantojuvenil coordenado por Sérgio Capparelli. É autora do livro de crônicas Indagações de Ameixas (2011) e dos infantis Quem tem medo do Mapinguari? (2008) e Braboletas e Ciuminsetos (2007). Febre Terçã, editado pela Selo Off Flip, é de 2014, mas está sendo lançado agora. Vássia Silveira tem um blog de crônicas: Toda Quinta. Se quiser pode entrar em contato através do email: vassia@uol.com.br e ou via facebook.

nota: como se não bastasse a qualidade dos poemas com suas fascinantes metáforas, Febre Terçã, de Vássia Silveira, que recomendo com louvor, traz excelente projeto gráfico de Renata Hinning...., algo (infelizmente!) pouco usual em livros de poesia. Febre Terçã pode ser adquirido via Livraria Travessa.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...