sexta-feira, 13 de março de 2015

Mario de Andrade: O Poeta Come Amendoim

Há setenta anos morreu Mario de Andrade. Talvez, hoje em dia (?) seja um autor mais falado do que lido. Este divertido retrato poético do Brasil e dos brasileiros: O Poeta Come Amendoim, originalmente publicado no livro Clan do Jabotí (1924), encontrei em Antologia da Moderna Poesia Brasileira - Revista Acadêmica, 1939, edição da Brasiliana Digital-USP..., com este breve texto de apresentação:

O movimento de renovação das artes brasileiras, que estourou com a Semana de Arte Moderna (S. Paulo, 1922) teve em "Paulicéa Desvairada", um dos seus principais gritos de combate. Desde então Mario de Andrade veio se manifestando como pesquisador infatigável. Na prosa de ficção, na poesia, no ensaio, no livro de técnica, sua maior preocupação é abrir caminhos ou demonstrar doutrinas. Os problemas da língua nacional, os da estética, do folclore, da musica, da psicanálise, da historia, das artes plásticas, são, por ele, postos em campo, com ardor e a confiança que lhe são característicos. No Departamento de Cultura, de S. Paulo, esses problemas tiveram realização objetiva sob a direção de Mario de Andrade. A fundação da Discoteca Publica com a gravação de discos e filmes de cantos e bailados populares nacionais, cursos como o de Etnografia e Folclore; a fundação da Soe. de Etnografia e Folclore, concursos de teatro social, o Congresso da Língua Nacional Cantada, a criação de Casas de Cultura Popular, do anteprojeto do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, são outras tantas iniciativas ou realizações de Mario de Andrade, no domínio pratico.”


       

O Poeta Come Amendoim
Mario de Andrade
a Carlos Drummond de Andrade

Noites pesadas de cheiros e calores amontoados...
Foi o Sol que por todo o sitio imenso do Brasil
Andou marcando de moreno os brasileiros.
Estou pensando nos tempos de antes de eu nascer...
A noite era pra descansar. As gargalhadas brancas dos mulatos...
Silencio! O Imperador medita os seus versinhos.
Os Caramurús conspiram na sombra das mangueiras ovais,
Só o murmurejo dos cr'em-deus-padre irmanava os homens de meu país...
Duma feita os canhamboras perceberam que não tinha mais escravos.
Por causa disso muita virgem-do-rosario se perdeu...

Porém o desastre verdadeiro foi embonecar esta República temporã.

A gente inda não sabia se governar...
Progredir, progredimos um tiquinho
Que o progresso também é uma fatalidade..
Será o que Nosso Senhor quiser!...

Estou com desejos de desastres.
Com desejos do Amazonas e dos ventos muriçocas
Se encostando na cangerana dos batentes...
Tenho desejos de violas e solidões sem sentido
Tenho desejos de gemer e de morrer.

Brasil...
Mastigado na gostosura quente do amendoim..
Falado numa lingua curumim
De palavras incertas num remeleixo melado melancólico...
Saem lentas frescas trituradas pelos meus dentes bons..
Molham meus beiços que dão beijos alastrados
E depois semitoam sem malícia as rezas bem nascidas...

Brasil amado não porquê seja minha pátria,
Pátria é acaso de migrações e do pão-nosso onde Deus der...
Brasil que eu amo porque é o ritmo do meu braço aventuroso,
O gosto dos meus descansos,
O balanço das minhas cantigas amores e dansas.
Brasil que eu sou porque é a minha expressão muito engraçada,
Porque é o meu sentimento pachorrento,
Porque é o meu jeito de ganhar dinheiro, de comer e de dormir.

*
Ilustração de Joba Tridente. 2015


Mário Raul de Moraes Andrade (1893-1945) foi escritor, crítico literário, musicólogo, folclorista, ensaísta e um dos mais representativos e influentes autores no movimento modernista brasileiro A sua obra desconcertante ainda continua de vanguarda. Há, na web, um bocado de bom material biográfico sobre o autor de: Há uma gota de sangue em cada poema (1917); Paulicéa Desvairada (1922); A Escrava que não é Isaura (1925); Losango Caqui (1926); Primeiro Andar (1928); Primeiro Andar (1932); Amar, verbo intransitivo (1927); Clan do Jabotí (1927); Macunaíma (1928); Ensaio sobre Música Brasileira (1928); Compêndio de História da Música (1929); Modinhas Imperiais (1930); Remate de Males (1930); Música, doce música (1934); Belasarte (1934); O Samba Rural Paulista (1937); Os compositores e a língua nacional (1937); O Alejadinho e Alvarez de Azevedo (1935); Luciano Gallet - Introdução aos "Estudos de Folclore" de L. Gallet (1935); Cultura Musical (1936); Namoros com a Medicina (1939) Lasar Segall (1935); Música do Brasil (1941); Poesias (1941); O movimento modernista (1942); O baile das quatro artes (1943); Os filhos da Candinha (1943); Aspectos da literatura brasileira (1943); O empalhador de passarinhos (1944); Lira paulistana (1945); O carro da miséria (1947); Contos novos (1947); O banquete, (1978); Será o Benedito! (1992); Obras completas (1944); Poesias completas (1955); Poesias completas (1972).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...