terça-feira, 20 de setembro de 2016

Paulo Setúbal: A Fazenda

Aproveitando que no mês de setembro, além da primavera, e ou talvez por isso, o Brasil é tomado por feiras de livros e encontros literários, expondo a velha e a nova literatura para novos e velhos leitores, decidi (re)visitar alguns grandes escritores brasileiros e portugueses, cuja obra pode ser apreciada com prazer e considerações por crianças de qualquer idade. São poemas que remetem à infância, ao campo, aos jogos juvenis..., por vezes até melancólicos no seu saudosismo, mas sempre (e)ternos no registro lúdico de um tempo que já não há. Há muito!

O número de poemas será o de um a três, por autor, e as postagens sempre individuais (um por página) para melhor apreciação de cada obra.  Esta primeira edição contará com mais ou menos 30 escritores pinçados ao acaso em meus arquivos. Futuramente farei uma edição apenas com escritoras.

O escritor brasileiro Paulo Setúbal (1893-1937) é um dos mais representativos e festejados nomes da literatura regionalista e do romance histórico. Dono de uma linguagem límpida e envolvente, a sua obra tem o poder de transportar qualquer leitor, até o mais urbano, para um sítio rural repleto de sons, cores e odores. Para mim, que nasci e cresci no interior de São Paulo, reencontrar-me nessas memórias afetivas de Paulo Setúbal é um prazer inenarrável. Confira os seus versos cheios de prosa pastoral em três preciosos momentos presentes no antológico Alma Cabocla, que vendeu em sua primeira edição 3.000 exemplares. Hoje, você conhece os afazeres em A Fazenda. Amanhã o poeta traça um retrato impecável desse povo da roça, praticamente, invisível ao povo da cidade grande. Depois, a graça de um dia de vida bucólica (quase) sem pressa no campo...



A    F A Z E N D A
Paulo Setúbal

ao meu querido Laerte


Seis horas... Salto do leito.
Que céu azul! Que bom ar!
Ai, como eu sinto no peito,
Moço, vivo, satisfeito,
O coração a cantar!

No meu quarto, alegre e claro,
Há rosas e girassóis.
Eu, com enlevo, reparo
No mínimo do seu preparo,
Na alvura dos seus lençóis.

Que doce encanto, e que graça,
Nesta simpleza aldeã,
Tem, sobre os vãos da vidraça,
Leves cortinas de cassa,
Bailando ao sol da manhã!

E da florida janela
Que eu abro de par em par,
- Verde painel, larga tela,
Da cor mais viva e mais bela,
Desdobra-se ao meu olhar!

A manhã, que e fresca e branda,
A rir, gloriosa e feliz,
Doura a casa veneranda,
Com sua quieta varanda
Cheirosa de bogaris...

Um renque de altos coqueiros
Circunda o velho pomar;
Toscos, enormes tabuleiros,
Ficam em frente os terreiros,
Com grãos em coco a secar.

Num quadro, curvo e sozinho,
Um pobre negro, o Bié,
A passo, devagarinho,
Com seu rumoroso ancinho,
La vai, rodando o café...

Depois - a máquina, a tulha,
O alpendre, o farto paiol:
Ah, como a roça se orgulha
De ver subir a fagulha
Que lança a máquina ao sol!

Branca, entre tufos, a escola,
Na estrada logo se vê:
Ai, nessa casinhola,
A filha de nhá Carola
Vive a ensinar o a b c.

Fulgem, na estrada tranquila,
Casinhas brancas de cal:
E a colônia que cintila,
Graciosa como uma vila,
Risonha como um pombal.

Ao longe, o pasto, a cancela,
- Um boi deitado no chão:
Paisagem rude e singela,
Daria fina aquarela
De puro estilo aldeão.

E além, para lá da ponte,
Ao lado do matagal,
Por sobre as lombas do monte,
Por todo o imenso horizonte,
- Alastra-se o cafezal!

O olhar, tonto, se extasia
Na cena rustica e chá;
E a gente sente a poesia.
Sente a radiosa alegria
De tão soberba manhã!

Absorto no panorama
Que assim contemplo, de pé,
Eis que uma velha mucama,
Surgindo a porta, me chama:
"Nhonhô, tá pronto o café...


*
ilustração de Joba Tridente.2016



Paulo de Oliveira Leite Setúbal (Tatuí-SP: 01.01.1893 - São Paulo-SP: 04.05.1937), foi advogado, jornalista e escritor de prosa e verso. Autor de romances históricos, crônicas, contos, poesia e memória, Setúbal traduz como poucos a vida simples do brasileiro interiorano. A fidelidade com que retrata a vida campestre em seus poemas emociona, inebria. Paulo Setúbal publicou em Poesia: Alma Cabocla (1920); Romance: A Marquesa de Santos (1925); O Príncipe de Nassau (1926); Os Irmãos Leme (1933); O Sonho das Esmeraldas (1935); História: El-dorado, História (1934); O Romance da Prata (1935); Conto: As Maluquices do Imperador (1927); A Bandeira de Fernão Dias (1928); Nos Bastidores da história (1928); Crônica: O Ouro de Cuiabá (1933); Ensaio: A Fé na Formação da Nacionalidade (1936); Memórias: Confíteor (1937); Teatro: Um Sarau no Pátio de São Cristóvão (1926). Saiba mais: Academia Brasileira de Letras.

2 comentários:

  1. Poema que me levou a revisitar férias no sítio de meus avos.
    "E da florida janela
    Que eu abro de par em par,
    - Verde painel, larga tela,
    Da cor mais viva e mais bela,
    Desdobra-se ao meu olhar!"

    Gratidão Joba.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ..., olá, Claudiane. ler Paulo Setúbal, em Alma Cabocla, é realmente viajar (e bem) no tempo!..., amanhã e depois a viagem continua! ..., obrigado pela visita e sempre bem-vindo comentário!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...